No ano 2013, em São Paulo, os músicos Davi Freitas e Felipe Gomide se unem com o intuito de criar um grupo de forró de rabeca que tivesse influências além das tradicionais nordestinas. Com a entrada dos percussionistas Bruno Duarte e Marcus Simon, o Xaxado Novo inicia uma pesquisa cultural e musical com viagens para Exu, Crato, Juazeiro do Norte e Petrolina.

Com um repertório na maior parte autoral, tendo ainda releituras de canções de artistas consagrados como Luiz Gonzaga, Dominguinhos e Sivuca, o grupo Xaxado Novo propõe um passeio pelo imaginário popular brasileiro, com influências musicais caribenhas e orientais.

Em 2016, o Xaxado Novo lança seu primeiro álbum “Sertão Cigano”, com músicas autorais e releituras de composições de João do Vale, Trio Nordestino e Antônio Barros. A capa foi produzida pelo famoso xilógrafo pernambucano J. Borges. Em 2018, a banda consolida sua formação definitiva com a entrada do sousafonista Eliezer Tristão, mesmo ano em que lança o segundo álbum “Xaxado Novo Ao Vivo”, gravado no Auditório Ibirapuera, com participações de Ricardo Herz, Gabriel Levy e Orkestra Bandida.

Entre os prêmios conquistados pelo grupo estão o de Melhor Música, Melhor Zabumbeiro e 3º Lugar no Festival Nacional Forró de Itaúnas (2015); Músico Revelação (Davi Freitas) e 2º Lugar no Festival Lua Cheia (2018).

Em 2019, o grupo lança o EP Vagamundo, com 4 músicas autorais e um clipe da música "Sentinelas". Em 2020 lança o single "Fronteiras Invisíveis", e o álbum " Xaxado Novo no Estúdio Showlivre (Ao Vivo)". Em 2021 a violinista e rabequeira Wanessa Dourado entra na banda assumindo a rabeca e o grupo lança seu novo single "Ingrediente".